Sábado, 17 de Outubro de 2009

Prosa segundo as leis do acaso

 Se repararmos atentamente, todas as grandes épocas artísticas foram representadas em todas as formas de arte, com excepção duma:

 

 Sim, porque se extasiarmos a nossa capacidade de pesquisa, por muito que vasculharmos os mais obscuros cantos da nossa memória, esses cantos e recantos que nem uma praticamente assalariada empregada doméstica ucraniana sem visto procura, aqueles onde nem o Steven Seagal armado com uma qualquer espada do dragão se atreve a entrar, aqueles onde este género de analogias faz o mais completo sentido. Irão notar que praticamente não existe literatura dadaísta.

 

 Até aos dias de hoje, onde eu o sagaz e intrépido Ricardo Agostinho Gouveia Blayer Alves, autor deste extraordinário blog, cunhador de tantas pérolas do idioma do Toy, o menino bonito da Grotafunda o 18º sócio da Associação Sociocultural de Estrenevide. Faz hoje de bandeirante neste rebuscado estilo literário, e assume-se como “O primeiro escritor dadaísta português” (o Saramago é outra história).

 

 Sem mais delongas cá fica:

 

                                     Prosa, segundo as leis do acaso:

 

 Como pelas esmagadoras mandíbulas da panqueca. Onde as desmesuradas massas de (mirtilos) urgem, na direcção do protector cão de três cabeças, que escon;de o sentido do albarde! O aracnídeo faraónico vigia o acepipe, que controla… o estrupido pedaço. E é com a máxima atrabílis que se escorre e ascende, para planejar todo “o” que descortinamos.

 Sendo assim imperioso grassar, deslindar o guante bólido extenuado pela oceanologia úbere que corrói o corvo?

 

sinto-me: ambiguo
música: Boite Zuleka - Cão muito mau

Terça-feira, 2 de Outubro de 2007

Pornografia, um negócio, uma incógnita, um belo par de mamas

 Se á coisa que me fascina desde pequenino são os guiões de filmes pornográficos.

 

(aviso: após um principio como este, a qualidade deste post só se pode equiparar ás letras de canções dos anos 70, por isso a menos que a sua capacidade de compreensão não ultrapasse a frase “estão a chover homens”, estarão por sua conta e risco.)

 

E o que me fascina nos filmes pornográficos? Perguntam todos vocês que não demonstram um sorriso de esguelha, olhos esbugalhados e respiração ofegante.

 

O que me fascina nos filmes pornográficos, para além de mamas grandes, é que num guião pornográfico tudo pode acontecer.

 

Mas absolutamente tudo. Não há regras, tudo é permitido, o que não acontece em nenhum outro tipo de filme. Mesmo as ficções fictícias  mais tresloucadas, têm o mínimo de respeito pela condição humana, e pela sua forma de pensar (sim até os filmes do Steven Seagal).

 

Por outro lado, a pornografia não se preocupa com isso, e passo a demonstrar alguns exemplos entre as abismais diferenças entre os guiões pornográficos, e os demais:

 

Situação

 

“Sala de reuniões, membros de ambos os sexos, entra um secretário(a), entorna café no(a) chefe”

 

Estilo de filmes

(aviso: vou partir do principio que todos os filmes que vou apresentar com esta hipótese são rasca, se estavam á espera de algo com classe e sofisticado, não deviam ler um post que tem como primeira frase “Se á coisa que me fascina desde pequenino são os guiões de filmes pornográficos”)

 

Drama – Existem duas hipóteses generalizadas, ou o secretário(a) é despedido(a), situação que provocará grandes distúrbios na sua vida; ou a reunião corre muito mal por causa desse incidente e o acordo, crucial para a sobrevivência da empresa, não é selado.

 

Comédia – Toda a gente olha para o secretário que acidentalmente aterrou com a cabeça no colo de um figurante masculino, a acção a partir daqui pode bifurcar-se: ou o figurante é uma pessoa conservadora e olha para o secretário com olhos escandalizados; ou o figurante é homossexual e olha para o secretário com olhos luxuriosos.

 

Romance – O secretário(a) tenta limpar atrapalhadamente as calças do(a) chefe, até olhá-lo(a) nos olhos, sorrirem 5 segundo um para o outro sem desviar o olhar até o secretário(a) sair da sala.

 

Acção – O café era afinal uma solução tóxica que irá matar toda a gente dentro de 10 minutos, é nessa altura que entra o Steven Seagal de moto, partindo a vitrine da sala de reuniões, nessa altura o chefe grita “isso custou-me 100 mil dólares”, o Seagal grita para toda a gente evacuar a sala pela vitrine furada, aponta uma Mac10 para o secretário(a) diz “o café tá quente” e dispara compulsivamente, depois chama uma equipa de intervenção para fechar o lugar, e parte no meio da noite para lugar incerto.

 

Pornográfico – Todos os membros da sala são apenas mulheres, todas elas têm mamas grandes, entra o secretário, entorna o café, a chefe diz “menino mau, vai levar tau-tau”, dito isso a chefe bate vagarosamente nos glúteos do secretário, as outras pessoas na sala não são meros figurantes, visto que de repente sentiram o desejo incompressível de se beijarem. E está dado o mote para uma muito agradável orgia.

 

Exposto o meu ponto de vista irei apresentar a minha primeira história para um filme pornográfico.

 

                                           Afinal o cão está vivo

“Afinal o cão está vivo” é uma história de amor, compaixão, compreensão e bestialidade.

 

Cena 1

 

Uma vulgar dona de casa, com mamas grandes, com uma idade que ronda os 30 anos, está a efectuar uma banalíssima viagem de reabastecimento ao supermercado, e como é custo-me nessas viagens, ela traja um largo porém curto vestido com um ar gasto, e não se deu ao trabalho de vestir roupa interior.

No seu caminho a mesma dona de casa vê um pastor alemão escarrapachado no chão, esse cão emana um cheiro pútrido, o coração dessa dona de casa enchesse de compaixão e decide levar o cão aparentemente morto para um restaurante chinês, onde teria um fim mais digno, fim esse que seria acompanhado com vegetais variados.

Decidida a cumprir a promessa que fizera a si própria, de dignificar esse canídeo, ela coloca-o ás suas costas e faz-se á estrada… Mas a meio caminho a doce dona de casa sente uma pressão nas suas costas, uma pressão tão forte que ela e obrigada de pôr-se de gatas, por alguma estranha razão ela despe-se e exclama “meu Deus, afinal o cão está vivo”

 

Repete-se a cena com diferentes donas de casa e cães, na cena 3 ninguém explica porque é que a amiga da dona de casa colocou a cara da sua amiga entre as suas coxas em vez de chamar ajuda, e temos um filme, quiçá com direito a sequela

sinto-me: critativo
música: Take a look at my girfriend - Gym class Heroes

.este tarado tem identidade (veja aqui qual)

.termos

 

.Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.este palhaço dise isto (e não fui á muito tempo)

. Prosa segundo as leis do ...

. Pornografia, um negócio, ...

.depois disto ainda quer ver mais? Não? E se eu oferecer um microondas

. Setembro 2013

. Outubro 2012

. Junho 2012

. Fevereiro 2012

. Abril 2011

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

.tags

. todas as tags

.eu recomendo isto, mas isto sou eu

SAPO Blogs

.subscrever feeds